Mudanças, AGORA! por Sueli Sperandio

 

mudança okPodemos e devemos mudar. O tempo passa e percebemos em nós mesmos, e em algumas pessoas as mesmas dificuldades, a mesma forma de olhar, sentir e ouvir a vida.

É comum ouvirmos algumas pessoas falarem, com certo orgulho, que nasceram e vão morrer assim. Nunca sendo capazes de transformar a si mesmas. No entanto, é necessário entender ou aceitar a fluidez das coisas. Porque na vida, nada precisa ser para sempre ou igual como aparenta ser. Ficamos com as experiências, com as lembranças e aprendemos com os nossos erros e acertos.

Para alguns teóricos da psicologia, o desenvolvimento humano depende da forma como a pessoa faz uso das suas “funções de contato”. Ouvir a si mesmo, para a maioria das pessoas é tarefa difícil, (abre-se a geladeira e come, sem perceber que o que precisava era apenas tomar um copo de água). Confundir a comunicação interna quando falamos de uma necessidade física é comum para a maioria de nós, porém, o grau de dificuldade aumenta quando envolvem as questões emocionais.

Ouvir-se, ou ser ouvido por outra pessoa, pode ser gerador de mudanças e também de cura. O bebê precisa se comunicar com a mãe ou adulto cuidador para ter suas necessidades atendidas. Na maioria das vezes, essas pessoas são capazes de ouvir genuinamente, intuindo ou percebendo pelo choro o que a criança pequena esta comunicando.

A criança e o adolescente quando são “superatendidos” em necessidades nem sempre tão reais, podem tornar-se pessoas insatisfeitas e infelizes. Podemos dizer que em grande parte vem daí a importância do “não”, do limite, até que eles aprendam a perceber suas reais necessidades e quais serão as escolhas mais adequadas para saciá-las.

A psicoterapia tem o objetivo de examinar o ponto onde o indivíduo está interrompido na sua capacidade de verificar o que é seu ou do outro. Pois, percebendo a si mesmo e tornando-se capaz de construir relações autênticas consigo mesmo e com as outras pessoas, a pessoa fica mais saudável.  Esse auto-suporte é desenvolvido gradativamente e a criação de recursos internos levam a pessoa a estabelecer contatos plenos, aceitando as perdas e as mudanças, podendo assim estabelecer outros valores, tornando-se capaz de superar os sofrimentos e viver suas alegrias.

Precisamos desenvolver a capacidade de olhar para trás quando for necessário e resgatar o que experimentamos, percebendo o que mudou ou que ainda pode mudar. Acreditando que o futuro depende do que estamos fazendo agora. Perdoando a si mesmo e os outros, nas coisas que fez ou deixou de fazer, pois, provável faria tudo igual se voltasse atrás no tempo e não pudesse “levar” para a situação que viveu no passado a pessoa que se tornou hoje. A melhor hora de mudar é sempre AGORA!

*  este texto foi escrito pela leitora e psicóloga Sueli Sperandio.

Dany Fran

Dany Fran

Autora de "Dias Nublados", jornalista.

  • Kelly Shimohiro

    Senão fosse minha amiga, com certeza a Sueli seria minha terapeuta! Suas palavras sempre mexem comigo, me acordam… o que é ótimo!!

    • Sueli A. Sperandio

      Obrigada, Kelly! É você quem me surpreende sempre, e vai encantar a todos com o seu livro, que espero ver publicado em breve…………..

      • Kelly Shimohiro

        Muitos beijos, Su!!

  • Elaine Shimohiro

    Queremos sempre ver mudanças, queremos que as pessoas mudem, queremos que a situação mude. Nada muda se a mudança não começar por mim e em mim… e o momento é esse! Agora!

  • Elaine Shimohiro

    Queremos sempre ver mudanças, queremos que as pessoas mudem, queremos que a situação mude. Nada muda se a mudança não começar por mim e em mim… e o momento é esse! Agora!