Chega mais… é a hora, da contação de história!

irmãs de palavra casal
20 de Março é comemorado Dia do Contador de Histórias. As Irmãs de Palavra comemoram mais que essa sexta, mas a força de contar histórias. Afinal como já disse Clarissa Pinkola Estés “os contos, as histórias são episódios. Nossa vida também. As histórias contêm uma força renovadora, revitalizante. Ela faz muito por aquele que a lê ou que a ouve. Porque você ouve, guarda e molda a sua própria história. Todas as histórias refletem nossos arrepios de medo, nossos amores desejados e nossas esperanças incorruptíveis.” Sacou?
E por isso, agora, vamos narrar um pouquinho de algumas de nossas histórias, nossos livros. Saboreiem!!!!
capa estranho contatoO ESTRANHO CONTATO  (Kelly Shimohiro)
“… Ele fecha a porta e passa a chave. Eu me viro surpreendida.
– Eu sou sim o cara com quem você sonhou.
O encaro.
– Isso é impossível! – digo meio desesperada, entre sílabas gaguejadas.
– Eu acho que não.
– Quem é você?
– Eu sou a sua melhor escolha, Ágatha.
– Isso não é real! Eu não entendo….
Nesse instante, o céu entra todo dentro de mim. Sou invadida por uma avalanche de sensações, todas boas e vivas. Fecho os olhos e me deixo levar. O Tom me segura sem hesitação e me beija de um jeito que me deixa sem fôlego, paralisada.
Nada que eu tivesse experimentado se parecia com aquilo. E tudo poderia se resumir a este momento, seria bem mais que qualquer expectativa minha. Valeria mais que qualquer outra coisa.
Acompanho seu ritmo e descubro toda minha ousadia… Mais que isso, seria um nocaute…΅
capa dias nubladosDIAS NUBLADOS (por Dany Fran)
“Quando chegamos o show já tinha começado. Leoni cantava “Diz pra ficar muda, faz cara de mistério”. Paolo me arrancou do banco em que eu já tinha me ancorado e me puxou para bem junto do seu corpo. Ali mesmo perto do balcão começamos a dançar colado um no outro. Podia sentir sua respiração. E minha palpitação em seu peito. Ficamos assim até quase a música acabar. “Uh, eu quero você como eu quero”. É claro que eu iria. Paolo estava me salvando até mesmo de mim.
No último refrão o garçom nos interrompeu e vi em suas mãos um pequeno bolo de chocolate com recheio de estrogonofe de nozes, um de meus prediletos, e em cima uma vela daquelas que as faíscas são extravagantemente maiores que o bolo. Olhei intimando Paolo que sorriu e fez um sinal de consentimento para o garçom que naquele instante estendeu com a outra mão um espumante acompanhado de duas taças. Ele tinha preparado tudo aquilo pra mim!
Eu quis me jogar em cima dele. Precisei me controlar. Assoprei a vela e olhei para ele do tipo ‘você não existe’. Ele passou a mão no cabelo e com os fios desalinhados ficou ainda mais bonito. Pegou a taça de espumante e me serviu. Bebemos o primeiro gole juntos e enquanto o vinho descia borbulhando Paolo mais uma vez sussurrou em meus ouvidos.
– Feliz vida nova, minha Iza, nunca mais vou descolar de você. Aliás, vamos sair daqui…
Em um só gole esvaziei minha taça. Pulei da banqueta onde estava sentada em frente ao balcão e fiquei pronta diante de Paolo para ir onde quer que ele quisesse me levar. Convite aceito. Paolo largou sua taça cheia e depressa agarrou minha mão. Saímos dali e …
Dany Fran

Dany Fran

Autora de "Dias Nublados", jornalista.