SELVAGERIA, CADERNO E BOMBAS (por Dany Fran)

educaçãoNão haverá página virada do dia em que a cavalaria foi superada pelas bombas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta, balas de borracha, mordidas de pitbull e jatos de água. Pasmem… essa não é a descrição de uma cena de guerra! É o recorte de pura selvageria entre cidadãos de um regime conhecido como democrático.

Vale aqui ‘abrir aspas’ para o conceito de democracia. No dicionário Gama Kuryv (FTD), da minha filha de sete anos, a palavra quer dizer governo do povo – soberania popular – sistema de governo que se caracteriza pela liberdade do ato eleitoral, pela divisão de poderes e pelo controle da autoridade.

Perigosa essa outra palavra, controle. O que existiu no Centro Cívico de Curitiba esta semana, com o confronto dos professores e a polícia, foi um total descontrole. Manifestantes em prol de uma educação melhor. Servidores em comando de um governo que quer economizar R$ 125 milhões mensais dos cofres públicos. Legítimas defesas? Descompassados ataques.

A senhora, educadora, ofegante retomará a consciência e nunca se esquecerá da quarta-feira em que trocou a sala de aula pela Assembleia Legislativa, e no lugar dos governantes foi ‘acolhida’ por uma tropa de choque que a deixou segundos sem respirar com o gás de efeito ‘moral’. O senhor, educador, vai voltar a enxergar mesmo com o olho machucado por uma bala de borracha, mas nunca apagará o dia em que foi participar da discussão do rumo da nossa educação e só conseguiu ser barrado, calado, cegado. Ainda que temporariamente. Até o deputado e o cinegrafista, retomarão suas funções, só que nunca se esquecerão da hora em que foram mordidos por cachorros sob o comando da PM do Paraná.

Um embate que terminou o dia com mais de 200 feridos, o projeto da Paranaprevidência aprovado, uma nota oficial do governo lamentando os atos de confronto, agressão e vandalismo provocados por manifestantes estranhos ao movimento dos servidores estaduais;  e pra acabar essa história com ‘belo’ ponto final, a declaração do governador à imprensa de que os policiais apenas defenderam suas vidas em risco durante os protestos.

Essa página é pra, realmente, ficar aberta, escancarada pra todo paranaense não cansar de ler. Reler. E pensar. Porque o maior perigo não vem das forças armadas, mas de um povo que não sabe questionar. Um povo, unido e que sabe pensar, esse meu bem, com bloqueio ou sem bloqueio, torturado ou trancafiado, persiste e segue, inteligentemente, com passos firmes, e pisa só na ignorância alheia.

Vai aqui todo o respeito e admiração, das IRMÃS DE PALAVRA, aos nossos mestres educadores que não são marionetes e nos oferecem histórias que, de fato, dão prazer de ler!

Dany Fran

Dany Fran

Autora de "Dias Nublados", jornalista.

  • Irmãs de Palavra

    Como disse da DANY FRAN neste texto, não podemos seguir sem nos abismar, nos horrorizar com o que está acontecendo AGORA em nosso país. As IRMÃS DE PALAVRA viram as costas para o abuso do poder e, às vezes, é só mesmo no mundo da literatura que dá para viver…

  • Tryssia

    Não podemos esquecer jamais o evento com cenário de guerra contra os professores do Paraná. Sem os professores nada somos, pois eles são os responsáveis pela educação de todos e sem eles não há profissões.