bienal 1

Sua assinatura no mundo

Um pequeno diálogo sobre ‘assinaturas’:

“- Me fale de você. Qual a sua assinatura no mundo, hein?

– Bem… eu me chamo…

– Não se trata de um registro. Nem mesmo de um batismo. Eu quero saber pelo quê você luta?

– Éhh…sou da paz!

– Pra viver em paz você precisa ‘assinar’, se colocar. Afinal, em que você está, de fato, interessado?

– Hum…

– É, enxergar com os próprios olhos, sem consultar expectativas alheias, pode ser mais difícil do se imaginava. Mais do que isso, exige coragem. Quer tentar?”

 

 

Sua assinatura no mundo

Uma questão de coragem assinar seu nome no mundo.

Assinar sem copiar, sem usar tinta emprestada, sem ser resultado de tanto exercício de caligrafia.

Descobrir o desenho das próprias letras, saber onde quer escrever seu nome.

Riscar ou apagar, se precisar.

Assinar sem hesitar, mesmo que não agradar.

Sua assinatura no mundo

Uma questão de vida ou morte assinar seu nome no mundo.

Assinar pra ter um lugar, pra ser gente, pra nascer toda vez que o seu nome  você escrever.

Não se contentar com os que lhe foram dados, criar um Sujeito Próprio.

Abreviar ou ser longo, se desejar.

Assinar sem precisar, só pra lembrar.

Sua assinatura no mundo

Uma questão linguística. Uma questão genealógica. Uma questão, com toda razão, de definição.

Sua assinatura no mundo. A assinatura do mundo.

bienal 1

Texto e foto de Dany Fran e Kelly Shimohiro

Kelly Shimohiro

Kelly Shimohiro

"Tudo é um ponto. E o ponto é você!" Autora de "O Estranho Contato".