natal 01

Pagador de promessa

O tempo também é cruel. E não se refere (apenas) às marcas na tua cara. Tem a bondade da experiência, o valor da sua vivência… afinal, ele pode encurtar distâncias, mostrar o crescimento de seu(s) amor(es), somar saberes, amenizar dores, apaziguar mágoas, alimentar o perdão; mas ele passa, baby! Tão simples assim! Ainda que você tente se convencer do contrário, o tempo carrega consigo algo precioso. Absolutamente exclusivo, seu time. Now!

Talvez por isso, PAGAR SUAS PROMESSAS seja tão eficiente.

Na literatura, pagar promessa é uma técnica preciosa. Na primeira página, a vibe da história. Na apresentação da personagem, a tatuagem de sua meta. Nos parágrafos iniciais, a identificação da atmosfera da história. No começo da leitura, a mordida do leitor, a fisgada fatal de quem encontra o que procura (o tipo de história que ama). E depois, no desenrolar da trama, a promessa sendo paga. É drama: lágrimas. É romance: lovelovelove. É horror: sangue. É fantasia: absurdo realizado. É ficção científica: viagem no tempo-espaço. É terror: medo. É série: tragadas em capítulos.

Uma história tem muitas nuances, mas a promessa é a artéria principal, onde toda a vida é focada.

No dia a dia de cada um, pagar promessa é cumprir com o que você se predispõe a fazer, marcando a sua assinatura, o seu jeito peculiar de viver. Na literatura, ou na vida de qualquer um, pagar promessa exige consciência e delicadeza. Exige um trabalho de continuidade. Uma arte de alta costura, onde os pequenos e quase imperceptíveis detalhes estão todos dispostos em conexão, visando o todo da obra. O conjunto bem montado e coerente. Pagar promessa também cobra uma alta dose de persistência e comprometimento, que permite seu talento transpirar.

Porque promessa sendo paga dá aquela sensação exultante de poder confiar. Confiar na história que você queria ler – era sobre isso! Confiar na pessoa que disse e fez: gol! Confiar na música que gostaria de ouvir – e te fez dançar .

E claro, uma boa promessa guarda sempre algumas surpresas, que te fazem … Bem, aí, meu bem… a promessa é tua e a fé no que vai ‘escrever’ também!

pagar promessa

Texto: Kelly Shimohiro e Dany Fran

 

Dany Fran

Dany Fran

Autora de "Dias Nublados", jornalista.