y

Entre muros, cortes e costuras

Apertando as mãos de Juan, antes mesmo de dizer prazer em conhecê-lo, Katherine flagra aqueles bonitos olhos puxados encarando o muro que os acompanha. Ela nunca tinha reparado direito naquele concreto. Era apenas sua Lima ‘mais protegida’, ‘menos feia’. Juan Diego, acostumado a observar todos os dias aqueles tijolos do outro lado de Lima, não disfarça a surpresa em não ver diferença de um cimento pro outro.

Katherine e Juan Diego são personagens ficcionais inspirados em uma história real que eu conheci essa semana. Mas na Venezuela de hoje pode existir muitos Juans e um bando de Katherine, todos espalhados ao redor do inacreditável muro construído com recursos particulares dos próprios moradores (do bairro de quem tem grana, é claro!). Para separar, segregar, diferenciar, isolar, ‘guardar’ pobres e ricos. De quem? Do quê? Perplexa com o surrealismo da realidade, a gente fica ainda mais embasbacada quando se dá conta que também tem Katherines e Juans nos rondando. Pior, nos personificando. Porque o ridículo para o muro do Peru também serve para as cercas que erguemos ao redor do nosso umbigo, cegando nosso pensamento.

y valeOs romances também são feitos para a gente pensar. Autor. Personagem(ns). Leitores. Caminhando por um ponto central, um eixo vermelho como diria Márcia Tiburi. Teorização e ação internas acompanhando a narrativa. Por isso é tão parecida com a vida. Sempre é  uma ficção! Temas, protagonistas, aventuras que percorrem a experiência do autor. Sua consciência cortando o mundo, olhando pra imaginação, construindo um real. Uma alternativa possível.

Um recorte da vida em tantas páginas. Literatura é um bom lugar pra você guardar suas dores e encantamentos. Não porque é seguro. Mas porque é um lugar construído sem muros. Remendado por múltiplos olhares. É corte. E costura. Não é mesmo Karen Debértolis? Mulher das Palavras.

Aristóteles bem roteirizou a arte da imitação pra se criar uma realidade, quem sabe a sua realidade ‘fantástica’. A palavra é meu corte-costura. Meu muro abaixo, abrindo caminhos. E qual é o seu? Já parou pra ‘olhar’?

Texto: Dany Fran

Fotos by Valentina Favoreto Rosa (Calhes de Maringá e Biblioteca Muncipal Pioneiro Manoel Pereira Camacho Filho)

y ok

 

 

Dany Fran

Dany Fran

Autora de "Dias Nublados", jornalista.