img-20161104-wa0004

DÊ UMA PAUSA, esqueça livros!

de uma pausa

E esqueça livros

Sabe aquele livro que salvou a sua vida em um dia nublado? Desapegue-se! Aquele outro que fez você se apaixonar e esquecer seus problemas por alguns minutos? Então, esqueça-o também! Ou o que fez você descobrir outros mundos? Dê essa chance para mais alguém!

Estamos ficando loucas? Loucas por esse engajamento!

Engajar é um verbo da língua portuguesa que se refere ao ato de participar de modo voluntário de uma atividade, trabalho, com intuito de apoiar. Etimologicamente engajar veio a partir do termo francês ‘engager’, que quer dizer ‘dar em garantia’, ‘empenhar’. Engajar-se não é adotar valores, objetivos e causas alheias. Engajar-se não é resultado de fórmulas, tampouco pode ser aprendido em tutoriais ou bancos universitários. Engajar-se depende menos de QI (Quociente de Inteligência) e mais de QE (Quociente de Esforço). Engajar-se é movimentar-se numa direção desbravada por você mesmo em comunhão com o mundo. É o santo graal de uma vida entusiasmada. E entusiasmada será intensa. E intensa será inspirada. E inspirada, uma vida reluz como se fosse milhares.

Logo, as Irmãs de Palavra emprestam esse termo para proclamar: engaje-se nessa ideia com vontade, ESQUEÇA LIVROS!!!

E abandone a solidão da sua história! Dia 25 de julho, terça-feira que vem deixe uma obra que adora, ou quantas quiser em algum lugar que possa ser encontrado por outra pessoa, com um bilhete, oferecendo essa história para  alguém. Isso não é fantástico?

A Campanha ESQUEÇA UM LIVRO foi criada pelo paulistano Felipe Brandão, que trabalha no mercado editorial e sempre ganhou muitos livros. Ele, que já conhecia o conceito criado nos EUA, resolveu abraçar a ideia por aqui. Criou uma página na internet e o projeto foi se multiplicando. 25 de julho de 2017 vai ser a segunda edição. E a primeira que as Irmãs de Palavra estarão engajadas. Então, não se assuste se encontrar pelas ruas de Maringá e Londrina livros esquecidos com um bilhetinho do tipo “Ei, você que achou este livro, agora ele é seu!”. Quem sabe algum deles não seja seu! Participe!

esqueça um livro

 

“Toda reação que você sonha ver no mundo espera sua ação”

Texto das Irmãs de Palavra.

Leia Mais

bienal 1

Dê uma pausa – não em sua EXPECTATIVA

de uma pausa

não em sua EXPECTATIVA

Dê uma pausa e abra um espaço. Não no seu dia. Na sua mente.

Vamos falar de expectativas. E nem venha com papo-furado, as Irmãs de Palavra querem uma coisa a mais. De você, e delas mesmas.

Expectativa frustra. Nem sempre. Às vezes só te enche de energia, de desejo, de vontade de viver.

Fuja de todas expectativas. Vai sair correndo do mundo? E vai pra onde?

Supere expectativas. De quem? Pra quê? O que você quer com isso?

 

“- Parabéns, você foi além das ‘nossas’ expectativas. 

Oi? Enquadre as de vocês e exibam em suas paredes, quero ultrapassar as minhas!”

 

Deixe todas as suas expectativas de lado. E viva no mar cinza dos desanimados, dos sem-vontade, dos entendiados?

Expectativa só atrapalha. Mesmo? Expectativa do nascimento de um filho, atrapalha quem?

Esteja sempre à frente das expectativas se quiser conquistar algo. Isso é possível? Claro que não! Como você pode adivinhar todas as expectativas do mundo? E supri-las? Nem mesmo todos os deuses do Olympo!

Expectativa gera ansiedade. E ansiedade é ruim? “Estou tão ansiosa para o nosso encontro!”  Quer coisa melhor que isso?!

Expectativa é esperar e esperar nunca é bom. Que tolice sem tamanho! Esperar prepara cérebro, espírito e corpo para algum acontecimento. Não é só bom, é necessário para o seu desenvolvimento.

Expectativa faz você projetar algo tão perfeito, que nada poderá superá-lo. Só se você ficar brincando de manipulador onipotente do universo. Grude as solas dos seus pé no mundo e tenha expectativas elevadas e boas. Não fechadas, amarradas e cheias de ilusão. Mas abertas para o novo, para a surpresa, para o melhor do outro, para seu talento mais genuíno.

E convenhamos, vamos parar de repetir as bobagens que falamos uns para os outros. Expectativa é ruim. Você tem que superar todas as expectativas! Você não tem nada, a não ser que seja importante pra você! Então escolha, consciente, prazerosamente, as expectativas que quer suprir. E faça disso um trampolim. Não um buraco fundo. ‘Nunca’ um buraco fundo.

Para não cair em uma bobagem atrás da outra.
De que tudo vira cópia. 
Onde você olha e amarra sua expectativa. Porque, e se soltar?  
Já se esqueceu de como foi descoberta a penicilina? Erros podem dar certo!
Quando degustar uma deliciosa bolachinha do tipo madeleine, a memória afetiva é sua.  Que diabos há em alimentar suas expectativas?
“A verdadeira viagem da ‘descoberta’ consiste não em buscar novas paisagens, mas em ter olhos novos”
(Marcel Proust)  
Texto: Irmãs de Palavra
expectativaexpectativa 2

Leia Mais

brevidade

O ‘breve’ de toda história

de uma pausa

 ‘Brevidade’

Não se trata aqui daquele biscoitinho de polvilho, que lembra os deliciosos quitutes das vovós (hoje dos chefs). E que neste inverno pode ir tão bem com uma caneca fumegando com sua bebida quentinha predileta. Trata-se, sim, do que provavelmente você está imaginando: o tempo. E toda sua velocidade, sua relatividade. Ok. Já sabemos de como os fatos podem mudar de uma hora pra outra, com uma rapidez assombrosa. E de como é vigoroso valorizar a própria história, agora. Mas, nunca (nunca mesmo) é demais relembrar. Porque, muitas vezes, relembrando é que aprendemos de verdade.
(*ah.. qualquer semelhança a fatos reais da ficção abaixo pode (ou não!) ser mera coincidência)

“- Já posso aumentar?
– Opa! Tá tranquilo – respondeu ao médico que subiu a velocidade da esteira e o fez se sentir o atleta que um dia já quis ser.

Dias. Voaram sem ele perceber.
– Cara, você tá com o coração de um garoto! Tá cuidando bem dele, hein? – garantiu brincando o cardiologista que, em seguida, franziu a testa. – Mas se eu fosse você procuraria um endocrinologia pra ver direito sua tireoide. – e fechando a cara, o que faz as marcas da sua testa ficarem ainda mais salientes, continua direto. – No ultrassom apareceram alguns nódulos. Melhor ver isso.

Semanas. Passaram mais lentas.
– Então, doutor, o cardiologista me mandou aqui …
BLÁBLÁBLÁ. Palavras nervosas. Frases confusas. Até o silêncio claustrofóbico.
Ele que não sentia nada. Saiu de um exame de rotina e foi parar na sala de ressonância pra fazer uma punção em nódulos maiores do que o padrão. Logo ‘ele’ que corria do trabalho pra escola das crianças. Da academia pra sacada com a mulher. Do futebol pra casa de amigos. De repente, estava em uma sala branca com agulhas enfiadas no seu pescoço. E elas poderiam furar tudo. Tudo mesmo! Inclusive sua rotina. Que, agora, lhe parecia um sonho.

1 Mês. Estranhamente arrastado.
O resultado. Laudo pronto. Mas ele não vai buscar. Sua mulher já está na porta do laboratório. Um instante e o barulho das crianças no carro, sem o menor contato com essa história, vai embora. Ela suspira. Olha pra cima e entre os galhos cortando o azul enxerga que poderia ficar escuro e mudo, pra sempre.
Não ficou. Essa história teve um final feliz. Por enquanto. No papel, a palavra benigno.”        

Em certas circunstâncias, a vida estende uma brevidade calorosa à você. Como uma oportunidade daquelas que ninguém pode deixar escapar! Um bilhete premiado. Dias e dias das melhores chances para usarmos nossa força na potência máxima. Porque podemos não ser os culpados pela nossa brevidade, mas somos responsáveis por tudo o que botamos dentro dela. Ah, isso somos!

Texto: Irmãs de Palavra

brevidade

Leia Mais

love

Dê uma pausa – por escolha e não obrigação, de todo o coração

de uma pausa

por escolha e não obrigação, de todo o coração

Sete minutos. Mobile e dedos nervosos. Email conferido. Vários sem respostas, ainda. Elevador chega. Retoque no batom. Uma piscada no whats. Centenas de bolinhas verdes. Suspiro. A porta abre. Mais digitais. Manchetes atualizadas. Ideia para publicar um texto. Depois. Agora, bolsas de escolas. Guardadas. Portas fechadas. Partida. Interrompida. Por uma carta. Acomodada no lugar do controle remoto. Descontrole. Letra cursiva. Surpresa. O relógio atrasa. Mais sete minutos. Por amor.

Por amor, a gente fica! Porque ele chega para a mulher que lê a declaração do marido. Para o pai arrebentado pelas saudades do filho que não tem mais. Para quem fez as pazes com o espelho e gosta do que vê, acompanhado ou não. Chega até para quem não mais crê naquilo que vê. Ou lê.

love

O amor é um clichê. Não, AMOR é um clássico. Daqueles que atravessam eras e, claro, qualquer data, sem deixar de te arrebatar. Por quê? Porque, como um elixir, ele inspira quem está acompanhado, quem está sozinho, uma multidão toda. É sempre o amor que resgata quem está com a vida despedaçada, ou acende ainda mais quem já está radiante. Ele anda colado com nossas escolhas.

Não precisa ser dramático como as tragédias shakespeareanas, nem do outro mundo, ‘a la’ Tom e Ágatha de O Estranho Contato. Tampouco insaciável, não é mesmo Madame Bovary?

É preciso ser SEU. O primeiro amor. O nome dele? Amor próprio. Herói da sua história. Quando está ferido, vira bicho e ataca todos que cruzarem seu caminho. Se vive magoado, é criança pirracenta e pede sempre mais – só mais um pouquinho, não para ainda, nunca está satisfeito o pirralho enjoadinho. Se não confia muito em si mesmo, o amor próprio insiste com o outro e implora elogios. Se é carente, faz-se de ofendido, veste o uniforme de injustiçado e cobra do mundo o que só pode ser oferecido, nunca requerido. Mas se o amor próprio cresce ‘direitinho’ e sabe pescar da vida as coisas que precisa, se consegue resistir aos vendavais e furacões que chegam com a pretensão de destruí-lo, se de vez em quando encontra boa companhia, se sabe ficar sozinho e aprecia a própria carinha, ah, então o Amor Próprio se espalha pela terra, pelo ar, pelo mar e toca tudo que existe, simplesmente porque sabe amar-se. E sabendo amar-se, pode amar tudo que tenha uma mísera gotinha de amor também.

Texto: Irmãs de Palavra

 

Leia Mais

bienal 2

Dê uma pausa – ‘MARAVILHOSA’ PAUSA

de uma pausa

‘MARAVILHOSA’ PAUSA

O mundo inteiro deu uma pausa pra ela.  MULHER MARAVILHA. E claro, nós também!

Dos quadrinhos para a telona, nascida da mitologia grega das Amazonas, ela agora impera nas salas de cinema do mundo todo (também nos posts pela internet afora). E vamos aos montes assisti-la e amá-la. Porque ela arrebata a ideia de uma mulher poderosa, instintiva,  guerreira, nascida para defender seu planeta e capaz de amar e deixar-se amar. Quem de nós não se vê nessa heroína?

Linda, porque a beleza atrai. Não um tipo de beleza fabricada, copiada, vendida e desfilada. Não. Uma beleza que começa nos olhos e entrega ali a força indistinta que carrega. Uma beleza que assume o corpo que possui e o utiliza da forma mais prazerosa, útil e corajosa que consegue. Uma beleza que espelha o mundo interior. Beleza que inspira outras mulheres a darem o melhor de si. Somos todas beleza que espanta o tédio e as convenções. Somos todas forças da natureza e viemos para sacudir nosso espaço, gerando mais graça, mais criatividade e mais vontade de viver.

Forte e corajosa,  porque bota fé no seu ideal. A Mulher Maravilha segue explorando seu destino, enfrentando difíceis decisões, sem perder a esperança de alcançar um mundo melhor. Ela quer ir à luta, mesmo que isto implique abandonar a segurança e as certezas do mundo que cresceu amando. Mesmo que isso signifique encontrar a incompreensão dos entes que cresceu amando.  Ela desafia a todos terem coragem de avançar na vida. Porque ela precisa lutar, ela precisa deixar que sua potência se espalhe pelo mundo. Ela não pode esconder seus talentos, sua magia, sua força, seu poder atrás do medo da morte, da derrota, do fracasso, do julgamento, do abandono e das perdas. Essa não é a decisão que toda mulher enfrenta? Que toda pessoa enfrenta? Esse não é o superpoder que cada mulher carrega pelo mundo afora? Destemidas, heroínas em suas lutas diárias, mudam o mundo, um pouquinho de cada vez.

Arrojada, ela balança as certezas do mundo. Porque não se dobra às convenções, introduz o novo à sua volta e desafia as pessoas a questionarem os velhos caminhos. Feminista, mostra a todos do que uma mulher é capaz. Essa é nossa luta. Diferentes, sim. Menos, nunca!

O que teria sido da Mulher Maravilha  se ela não tivesse saído do santuário mágico das Amazonas? Você já se fez essa pergunta? O que teria sido de você se não ousasse desafiar o mundo com seus sonhos? Que brilho seus olhos teriam? Que paixão suas palavras propagariam? Para uma vida extraordinária, o medo precisa ser encarado e vencido.

A Mulher Maravilha não hesita. Aliás, pra seguir esta inspiração, as amazonas da mitologia grega, ou as índias brasileiras icamiabas, provavelmente também não.  Lenda ou realidade, diz a história que ambas viviam isoladas, sem homens diariamente, lutavam com arco e flexo e iam fundo pra se tornarem grandes guerreiras. Até se mutilavam, retirando o seio para ficarem melhores arqueiras. Quem elas seriam se não lutassem tão destemidas? 

ESCOLHAS.

A história do mundo é recheada de mulheres que romperam a barreira do medo e arriscaram um mundo diferente para si mesmas. E depois, nos encheram de entusiasmo e vontade de fazermos a mesma coisa com nossas próprias vidas. Como Julia Child, famosa culinarista americana que depois dos 40 anos aprendeu a arte da culinária francesa e foi precursora dessa gastronomia nos Estados Unidos. Quem teria sido Julia se não fosse embora atrás do que lhe dava alegria? “Diante do silêncio bocejante. Fiquei decepcionada, mas não me deixei abater. Continuei a pesquisa. (…) Eles não compreendiam como eu poderia achar prazer em fazer todas aquelas compras, cozinhar e servir, tudo sozinha. Mas acontece que eu achava! E Paul me incentivou a não lhe dar ouvidos e a perseguir minha paixão”(Minha vida na França – Julia Child com Alex Purd´Homme).

Heroínas. Todas estamos em busca da nossa vez. A Mulher Maravilha fez isso com vigor em seu mundo mágico. Você também pode. Afinal, quem será você se não for atrás do que de fato vale a pena lutar? As coisas que a  fazem ‘dançar’ plena pelo mundo. Conjugue essa ideia! A Mulher Maravilha pode. Nós todas também.

texto: Irmãs de Palavra

IMG-20170608-WA0050

Leia Mais

y

Entre muros, cortes e costuras

Apertando as mãos de Juan, antes mesmo de dizer prazer em conhecê-lo, Katherine flagra aqueles bonitos olhos puxados encarando o muro que os acompanha. Ela nunca tinha reparado direito naquele concreto. Era apenas sua Lima ‘mais protegida’, ‘menos feia’. Juan Diego, acostumado a observar todos os dias aqueles tijolos do outro lado de Lima, não disfarça a surpresa em não ver diferença de um cimento pro outro.

Katherine e Juan Diego são personagens ficcionais inspirados em uma história real que eu conheci essa semana. Mas na Venezuela de hoje pode existir muitos Juans e um bando de Katherine, todos espalhados ao redor do inacreditável muro construído com recursos particulares dos próprios moradores (do bairro de quem tem grana, é claro!). Para separar, segregar, diferenciar, isolar, ‘guardar’ pobres e ricos. De quem? Do quê? Perplexa com o surrealismo da realidade, a gente fica ainda mais embasbacada quando se dá conta que também tem Katherines e Juans nos rondando. Pior, nos personificando. Porque o ridículo para o muro do Peru também serve para as cercas que erguemos ao redor do nosso umbigo, cegando nosso pensamento.

y valeOs romances também são feitos para a gente pensar. Autor. Personagem(ns). Leitores. Caminhando por um ponto central, um eixo vermelho como diria Márcia Tiburi. Teorização e ação internas acompanhando a narrativa. Por isso é tão parecida com a vida. Sempre é  uma ficção! Temas, protagonistas, aventuras que percorrem a experiência do autor. Sua consciência cortando o mundo, olhando pra imaginação, construindo um real. Uma alternativa possível.

Um recorte da vida em tantas páginas. Literatura é um bom lugar pra você guardar suas dores e encantamentos. Não porque é seguro. Mas porque é um lugar construído sem muros. Remendado por múltiplos olhares. É corte. E costura. Não é mesmo Karen Debértolis? Mulher das Palavras.

Aristóteles bem roteirizou a arte da imitação pra se criar uma realidade, quem sabe a sua realidade ‘fantástica’. A palavra é meu corte-costura. Meu muro abaixo, abrindo caminhos. E qual é o seu? Já parou pra ‘olhar’?

Texto: Dany Fran

Fotos by Valentina Favoreto Rosa (Calhes de Maringá e Biblioteca Muncipal Pioneiro Manoel Pereira Camacho Filho)

y ok

 

 

Leia Mais