AS IRMÃS DE PALAVRA INDICAM “MAR E GIL”

 As IRMÃS DE PALAVRA tem o  prazer de trazer até vocês, nossos queridos litores, uma dupla bela em imagem e palavra. MAR E GIL é um daqueles encontros de sucesso! Visite o blog http://maregil.blogspot.com.br/
E tenha momentos de  boas palavras e belas paisagens. VALE MUITO!
Duas amigas que desde pequenas compartilham gostos, sonhos, momentos. A paixão pela música, pelas artes, pelas letras. A paixão pelo céu azul que nasce lá fora, ou a chuva torrencial que cai na madrugada. Duas amigas que decidiram, enfim, juntar suas tantas paixões e transformá-las em uma só: Mar e Gil. Os sentimentos de duas pseudo-mulheres transformados em desenho e poesia. Uma é cor, a outra letra. Uma é mar, a outra é gil.

 UMA POESIA DAS MENINAS PRA VOCÊ:

(mais…)

Leia Mais

y

DÊ UMA PAUSA, é hora do livro!

de-uma-pausa-300x153

é hora do livro!

Existe um gênero literário que não caiu nas graças da grande massa, mas bem que podia! (achamos mesmo que devia) A POESIA.  Uma nota alegre e cheia de vida. Com ela, o carnê vira viagem dos sonhos. A fome, cachorro louco que devora o mundo (por dentro). A dor de amor, lamento sem fim. Porque poeta é assim, vê tudo com olhos furiosos e escreve com a voz de quem quer mais. Mais da vida, mais de si! Maria Eugênia, nossa amiga de palavra de Maringá, nos empresta ‘Sua Loucura’ em Poetize 2019, antologia poética – organizada pela Isaac Almeida Ramos – e nos convida àquela pausa do dia: precisamos gritar agora e não morrer calada, nem seguir na multidão sem dizer nada. O resto é história (e nós adoramos!).

meugênia

 

Leia Mais

DÊ UMA PAUSA, É HORA DO LIVRO. Hoje vamos falar da Malala.

de-uma-pausa-300x153

É hora do livro! Hoje vamos falar da Malala

“Há muitos e muitos anos, a Inglaterra lutava com o Afeganistão. Os britânicos tinham mais armas e estavam levando vantagem, por isso os afegãos perderam a esperança e resolveram fugir do campo de batalha. Foi quando uma menina subiu a montanha e usou a sua voz: o que vale mais,  um dia cheio de coragem como um leão ou cem anos de escravidão? – Essa audaciosa jovem se chamava Malala. Nome que os afegãos nunca mais esqueceram porque ela liderou o exército que venceu a guerra. Mas morreu baleada conduzindo o exército vitorioso.”

Lenda ou realidade. A Malala que você, e o mundo inteiro conhece, cresceu ouvindo essa pequena história de seu pai. Que também a encorajou a ler. E a nunca abandonar os livros. Ainda que a leitura lhe colocasse em campos de batalha. Aos 15 anos, a Malala que você e nós – Irmãs de Palavra – conhecemos, levou um tiro na cabeça porque escolheu lutar pelo direito dela (e de todas as meninas) de abrir livros. Enfrentou um sistema doutrinador do ódio, opressor, cego, ditador e violento. Não se calou. O livro que escreveu, relatando sua história, encoraja muito gente. O livro da jornalista Viviana Mazza: “Malala – a menina mais corajosa do mundo”, comove, porque revela não apenas os sonhos, mas também os medos da menina mais corajosa do mundo. Coragem talvez seja a palavra mais bonita que exista, a palavra mais bonita para definir uma vida. No fundo, todos nós sabemos a resposta para a pergunta: “O que vale mais, um dia cheio de coragem como um leão ou cem anos de escravidão?”. O resto é história (e a gente adora!).
MALALA

Leia Mais

bienal 1

DÊ UMA PAUSA, está na hora da aula!

de-uma-pausa-300x153

Está na hora da aula!

Não importa se não leu todo o texto, não fez a lição nem mesmo se chegou atrasado. Tem aula que te tira dos eixos. Aplausos a todas elas! ‘Aulas de Literatura’ (de Júlio Cortázar, Civilização Brasileira, 2015) é assim, dessas aulas que valem à pena! Se você estivesse vivo, Júlio, te encheríamos de beijos e abraços! (ah, se não!) Bem… Seus livros estão. Não vamos beijá-los nem abraçá-los, mas não conseguimos mais parar de lê-los. Nada de esquemas prontos, dicas infalíveis para se fabricar “best sellers”. Não, não é isso que encontramos em Aulas de Literatura. Não é assim que se aprende a escrever de verdade. A literatura que interessa, a aula que interessa, tira qualquer um dos eixos. Quando dá o sinal e o professor fecha a porta, ou quando o livro termina, não são as respostas que mais importam. Estamos cheios delas. Nós precisamos de perguntas que desafiem a mente, a vida , a ordem. Perguntas são chaves mágicas, criam um novo mundo. Cortázar, se você estivesse vivo, iríamos agarrar você! O resto é história (e nós adoramos!)

júlio cortázar

Leia Mais

DÊ UMA PAUSA. É claro que você não é obrigado, mas…

de-uma-pausa-300x153

É claro que você não é obrigado, mas…

Não somos obrigadas, mas as Irmãs de Palavra aceitaram o convite de Clarissa Pinkola Estés,  em seu livro “Mulheres que correm com os lobos” (Rocco, 1992) e, a partir de mitos, contos de fadas e lendas, visitamos os terrenos profundos dos arquétipos femininos. E isso nos abriu janelas, olhamos e era tanta imensidão! Não notamos, mas não era o mundo que víamos, era a nós mesmas.

Não somos obrigadas, mas as Irmãs de Palavra desejaram conhecer mais, ouvir mais a respeito do papel do feminino na vida da mulher, na vida dos homens, na vida do mundo. Nós queremos exercer a nossa presença autêntica, cheias de vigor.

Não somos obrigadas, mas as Irmãs de Palavra gostam de quem corre livremente, de quem sapateia no escuro, de quem junta ossos no deserto do passado, de quem perambula pelo mundo, de quem dá atenção às velhas e suas histórias malucas, de quem canta para amenizar a dor e permitir a vida-morte-vida. Nós queremos mais alma e menos ego no comando dos dias.

Não somos obrigadas, mas as Irmãs de Palavra não aceitam a vida assim: amordaçadas, contidas, educadinhas, domesticadas. Nós gostamos de uma boa dose de diversão e, talvez, até de um bom palavrão.

Não somos obrigadas, mas as Irmãs de Palavra correram com os lobos. E como os lobos, nós sabemos que nós – mulheres – somos fortes, gregárias, parceiras, curiosas, intuitivas, devotas, perceptivas, vorazes, corajosas, criativas, determinadas, brincalhonas, capazes. Nós não temos medo do trabalho duro, de recomeçar mil vezes, de andar sob o sol e com sede até alcançar a verdadeira fonte da nossa vida. Nessa fonte, toda mulher pode descansar, curar-se, remendar-se, abandonar velhas crenças que lhe rouba a vitalidade e confunde os instintos.

Não somos obrigadas, mas as Irmãs de Palavra sabem que toda mulher não pode andar de cabeça abaixada, curvada, diminuída, envergonhada, agredida. Clarissa fala da mulher selvagem, o espírito de mais de dois bilhões de anos, que habita dentro de nós. As Irmãs de Palavra chamam isso de natureza da mulher: olhos aguçados, mente afiada, coração aceso e pés fortes. Se você parar para ouvi-los, vai saber para aonde ir. E vai ter a audácia de ser exatamente quem você é. Nesse instante, você muda o mundo. O resto é história (e a gente adora!).

mulheres lobos

 

 

Leia Mais

neil gaiman

DÊ UMA PAUSA e vá ler Pamela Druckerman

de-uma-pausa-300x153

e vá ler Pamela Druckerman

Nós já lemos três livros da autora: Crianças francesas não fazem manha, Crianças francesas dia a dia e Vida adulta à francesa. Somos obcecadas pela França? Pela autora? Nenhuma coisa nem outra; e um pouco das duas. Na foto, você vê ‘adultas’ na França vivendo à brasileira, e crianças, que não estão fazendo manha. Mas, é claro, também tem franceses vivendo comme bon vous semble.
É claro que não confiamos em manuais viva-assim-ou-assado. Isso é uma bobagem, cherry. É claro que estamos cansadíssimas de saber que exemplos podem ser fabricados para serem seguidos, mas no fundo, são apenas inspirações. Just it. É claro que a vida de alguém (seus sucessos e buscas) precisa ser analisada antropologicamente. Por isso, dear, não tente a imitação. No es um buen camino. Uma hora ou outra, não vai ‘dar bom’. É claro que também não podemos menosprezar a experiência do outro. Sim, você pode aprender (e muito) ouvindo ou lendo relatos. É vero! É claro que se são os nossos problemas, as nossas crianças e a nossa vida, nós podemos usar da mágica. Aquela bem antiga, do começo do mundo. É bem simples também. É só você viver a Sua Vida. Com as suas próprias inspirações. Daqui para frente. E você vai se espantar, quando os resultados começarem a pipocar. Glo my, dit is die ware magie! (do Africanêr: acredite, esta é a mágica de verdade!). O resto é história (e nós adoramos!)

kidsfrancesas

Leia Mais

Dê uma pausa – e fale agora ou cale-se para sempre

de-uma-pausa-300x153

e fale agora ou cale-se para sempre

Não precisa ser a morte para separar. Nem o casamento para unir. Não importa a saúde ou a doença, a riqueza ou a pobreza. Os laços vão sempre mudar. Afrouxar, apertar, desfazer-se. E não tem instituição capaz de protocolar o contrário. Não há leis que sacramentem a escolha e o desejo humano, por mais que tentem. Tayari Jones, autora de Atlanta (EUA), nos conduz a este pensamento com uma escrita desafiadora em  ‘Um Casamento Americano’ (TAG, janeiro de 2019). O livro ainda não foi publicado no Brasil, mas as Irmãs de Palavra (graças a Tag Inéditos) já confirmaram essa união. Quando você se dá conta, embarcou numa história de amor, traição, preconceito, promessas desfeitas, injustiça e, talvez, esperança. Esperança num sistema prisional mais justo (sim, esse cenário não é ruim só no Brasil. Pra começar, o índice de negros inocentes encarcerados nos EUA é alarmante. Pra continuar, os negros são pelo menos 40% dos presos, enquanto representam apenas 13% da população norte-americana, segundo dados da Prison Policy Iniciative). Esperança num casamente mais livre, onde o amor sele o compromisso, e não o medo ou a obrigação social. Esperança em mundos mais pacíficos, sem administrações públicas de ódio. Esperança em histórias de oportunidades, onde impere a convivência entre as diferenças; e não a intolerância, o fanatismo e a violência. De muitas formas distintas, ‘Um Casamento Americano’, leva você a uma experiência: a do julgamento. Somos julgados, mal-julgados, sentenciados a punições que não merecemos. Recebemos rótulos que podem nos marcar para sempre. Julgamos, baseados em falsos testemunhos, em suposições, em opiniões alheias, em teorias superficiais, em preconceitos e estereótipos culturais. Temos que parar! Nosso ponto de vista não é uma lei sagrada. Você não é o único dono da verdade. Sua cor não é a mais bonita, seu gênero não é superior, sua educação não lhe dá o aval para humilhar ou machucar aqueles que não tiveram a mesma oportunidade que você, ou quem quer que seja. Seus valores, sua opção sexual e sua religião não governam o resto da humanidade. Nós precisamos parar? Sim ou não? Fale agora ou cale-se para sempre. O resto é história (e nós adoramos!).

um casamento americano

Leia Mais