bienal 1

Dê uma pausa e leia uma história de muitas voltas

de-uma-pausa-300x153

e leia uma história de muitas voltas

Voltar. Tem hora que a gente precisa dar ‘meia volta e volver’. “Tá louca, vai ‘voltar atrás’?” Não! Não é um pleonasmo. Nem precisa ser retrocesso. Você pode apenas ‘voltar’. Pra escola. Pra rotina. Pro (seu) sonho. Por quê? Porque às vezes a gente só precisa retornar para seguir em frente. Quer ver?

O AMOR ME TROUXE DE VOLTA (Carol Bowman). DE VOLTA DO INFERNO ((Ian Kershaw). Ou DE VOLTA PARA CASA (Karen White). Ou melhor ainda, de VOLTA PRA MIM (Mila Gray). Às vezes, O CAMINHO DE VOLTA (Arilton Oliveira) é como AS QUATRO VIDAS DE VOLTA SECA (Robério Santos). Em outras vezes, é um LONGO CAMINHO DE VOLTA (Ricardo Lucena Junior), indeciso entre a IDA E VOLTA (Juarez Machado), como AS VOLTAS DE UM ANDARILHO (Viriato Teles). Talvez o que importe mesmo é você DE VOLTA AOS SONHOS (Bruna Vieira), só quando estiver agarrado aos seus sonhos é que vai saber QUANDO É PRECISO VOLTAR (Zíbia Gasparetto). Porque se o caminho não tiver sonhos: VOLTAR, NEM PENSAR (Martin Kirby). VOLTA, SE HOUVER MOTIVO PARA VOLTAR (Ana Costa). Se existir um bom motivo, tanto faz se for DE VOLTA AO MOSTEIRO (James C. Hunter), DE VOLTA A JERUSALÉM (Jonas Amâncio dos Santos), se for A VOLTA DO GAROTO (Jorge Emil) ou mesmo que seja o PAI URSO ESTÁ DE VOLTA (Else Holmelund Minarik); se houver um bom motivo para A VOLTA (Bruce e Andrea Leininger), será sempre DE VOLTA À VIDA (Nadine Gordimer). Mas se o motivo que te faz voltar não for digno, PARE DE SE SABOTAR E DÊ A VOLTA POR CIMA (Flip Flippen), diga SAÍ PRA DAR UMA VOLTA (Frederico Mourão) e acabe dando A VOLTA AO MUNDO EM OITENTA DIAS (Júlio Verne). E QUANDO VOCÊ VOLTAR (Kristin Hannah), fale com vigor: VOLTEI (Chico Xavier). Porque uma volta leviana, motivada por egoísmo, escravidão ou insegurança, não passa de A OUTRA VOLTA DO PARAFUSO (Henry James). Nestes casos, é melhor seguir o ditado: NÃO VOLTARÁS (Hans Koppel). Também é inútil lamentar-se repetindo a frase: AH SE EU PUDESSE VOLTAR NO TEMPO (Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho).  No fim, toda volta que importa é aquela em que você pode assumir que está AS VOLTAS DO MEU CORAÇÃO (Fanny Abramovich). Mas, no entanto, todavia, se não encontrar nenhum motivo pra voltar, ao menos  existe um: VOLTAR A LER (Mempo Giardinelli).

Texto das Irmãs de Palavra

Kelly Shimohiro

Kelly Shimohiro

"Tudo é um ponto. E o ponto é você!" Autora de "O Estranho Contato".