neil gaiman

DÊ UMA PAUSA PARA OS ERROS FANTÁSTICOS, COMETA OS SEUS!


de-uma-pausa-300x153

para os erros fantásticos. Cometa os seus!

“Faça boa arte. Tudo bem, você não tem ideia do que é. Vá e faça. (…) Eu aprendi a escrever, escrevendo”. (Neil Gaiman)

E, de repente, quem nunca se formou no nível superior, estava discursando para graduandos de uma universidade de arte. Surreal? Não, só um fato controverso (ou dialético, como dizia Hegel). É que em 2012, o autor de histórias fantásticas, Neil Gaiman, fez um discurso empolgado na University of the Arts, na Filadélfia. Tema: carreira. Ou melhor, como ser brilhante na profissão que você mesmo escolheu. Afinal, centenas de recém-formados estavam prestes a se jogarem no mercado de trabalho. E aí? E agora? Pra onde ir, meu Deus? Você também se sente assim? Nem que seja uma vez ou outra, mesmo que não seja recém-formado? O discurso virou livro: “Erros Fantásticos – o discurso: ‘Faça boa arte’!” (Ed. Intrínseca, 2013, Neil Gaiman e imagens de Chip Kidd). Nas poucas páginas escritas, você pode se inspirar para dar conta de uma missão, digamos que importante da sua vida: dar certo! Mas o que é isso pra você? Bem, para as Irmãs de Palavra tem muito a ver com as ideias deste pequeno, e aparentemente inofensivo, livro de Neil Gaiman. Ele, escritor de destaque no mundo da literatura fantástica, nunca fez planos de carreira, mas ‘imaginou’ uma montanha, lugar onde gostaria de chegar como escritor. E fez de tudo para estar cada vez mais próximo ‘desta montanha’. Fugiu da academia, não aceitou propostas ‘respeitáveis’ de emprego, aguentou derrotas, períodos de desilusão e, quem sabe, até desespero. Não se acomodou, nem se acovardou. Não tentou copiar os passos de ninguém. E se levou a sério, respeitou o seu prazer e seu grande sonho. Não se desviou. Mas teve seus erros. Seus fracassos. Olhou com atenção para todos eles. E não somente para render$, batalhou por escrever cada vez melhor, todos os dias. Ouviu isso? Todos os dias, incansavelmente. Então, pôde contar com a ‘sorte’… Tanto que “Coraline” era para ser “Caroline”. Gaiman escreveu errado e veja só no que deu esse erro vocálico! Erro?

Talvez sua vida não seja meteórica como do autor. Talvez seja, vai saber! De qualquer forma, este discurso é, como diz na contracapa do livro, para todos que estão olhando ao redor… E pensando! Porque ele tem o poder mágico de despertar o dragão adormecido que se esconde dentro de cada pessoa. E depois que ele desperta, você não pode mais contê-lo, porque dragões adormecidos só têm um desejo: vida intensa! E batalham por isso com fúria. O resto é história (e nós adoramos!).

“Nos dias ruins, faça boa arte. Nos dias bons, faça boa arte. Nos dias de medo e de frio e de desespero e dor, em todos os dias pavorosos, faça boa arte. E entenda boa arte como se jogar no mundo e ser exatamente VOCÊ. Escreva seus próprios discursos. Será sempre uma boa história.” (Irmãs de Palavra)

Texto das Irmãs de Palavra

neil gaiman

Dany Fran

Dany Fran

Autora de "Dias Nublados", jornalista.