y

DÊ UMA PAUSA, é uma boa história!

de-uma-pausa-300x153

É uma boa história!

Uma boa história é a sua! Não tenha dúvidas disso, nunca. É a melhor de todas, porque é a única em que você é o protagonista (ou A protagonista). E não importa em que ponto você esteja da sua jornada. Se vive (ou não) a grande aventura que deseja. Se no turbilhão de tantas ocupações está (ou não) difícil encontrar a paz. Se no dia a dia sabe (ou não) o que realmente quer. Não importa como você está, o tempo é este! E é neste exato momento que você pode jogar a cartada decisiva: a virada da sua história.

Mãos à obra. A escrita é uma arte criativa que requer mais do que imaginação; exige empenho, foco, engenhosidade, paciência para inúmeras correções e mudanças no enredo. Além, é claro, de estudo e uma verdadeira vocação para suportar a si mesmo. É preciso horas de solidão para se escrever uma boa história. Por um simples motivo, escrever de forma verdadeira, como diria o escritor Hemingway, é inventar a partir do que está dentro do seu coração. Vale para os livros, e, principalmente, para a sua vida.

Então, vamos começar falando do protagonista: VOCÊ!  Esse personagem merece muita atenção, nos mínimos detalhes. O que veste, o que come, o que pensa, o que sente, o que quer… Para onde está indo, como está fazendo seu caminho, com quem? Do que precisa se livrar, em que precisa melhorar? Detenha-se a que horas seu protagonista acorda, com quem vai pra cama? Ele tem medo de fantasmas? Quais? Você – o grande protagonista – anda satisfeito consigo mesmo? Em que momentos você é de fato você? Quais são seus temores, seus desejos, suas crenças, suas dúvidas, suas perdas… Em que tipo de encrenca está metido? Há sempre uma saída e é nela que você deve se concentrar. Pense a respeito. Ouça a voz deste personagem principal. Compreenda e aceite o que ele diz. Este será sempre o ponto central da sua história e merece SEMPRE ser tratado como tal.

Bem, agora vamos às etapas de uma narrativa.

O início. Tudo tem que começar de algum ponto. A sua vida também. O princípio é o berço que torna possível você existir. É importante entender as razões e motivações do começo de tudo (entender não é aceitar, é só entender). Elas indicam o vetor impulsionador da história e nos fornece dados para conhecer melhor o protagonista. Afinal, ninguém surge do nada. Esse é o material que sustenta a jornada e nos liga a uma família, um país, uma meta, um objetivo, um passado. É necessário compreender o início até mesmo para se livrar de suas algemas. Pois, o ponto onde tudo começa não determina aonde vamos chegar. Temos asas e podemos voar alto, voar longe. Mas o ponto onde tudo começa, nos liga para sempre à origem de quem, verdadeiramente, somos. É o pontapé criador.

A principal fase da sua história – o desenvolvimento. É aqui que você está. O caminho, o percurso, onde residem as escolhas, os desafios, os problemas, as vitórias, os sacrifícios. É onde acontece a vida. É o que mais interessa. É ação! É nele que você deve concentrar toda sua energia. O nome desta etapa é PRESENTE e aqui surgem as possibilidades de mudança, de avanço, de superação, de conquista. Como também de queda, de crise, de danos sem tamanho. É aqui que o protagonista pode se tornar um personagem secundário em sua própria história. Perder seu rumo, desinteressar-se de si mesmo, atar-se a uma vida sem progresso, submeter-se a outros personagens, não evoluir, desistir de uma história incrível. Porque este é o nosso destino: uma história incrível! Toda pessoa é o personagem principal. Este lugar não pode ser cedido. Você, e ninguém mais, deve ser o narrador da sua própria história.

E, sem escapatória, chegamos ao fim. E o final da sua história, bem, não se preocupe tanto assim. O final é o último dos capítulos e, geralmente, ele se resolve sozinho.

Existem histórias de todos os gêneros: romance, conto, fábula, comédias, histórias de terror, existem as fantasias, os dramas. Também há a pura ficção. Histórias para adultos, mais pesadas ou sexy. Outras baseadas em fatos reais. Não podemos nos esquecer da poesia, a prosa poética, as tragédias, biografias. Histórias policiais e de suspense. Os contos de fadas. Ainda tem as notícias, as crônicas, os artigos, textos didáticos e científicos. Tudo é história! E todas merecem ser contadas, todas formam o mundo em que vivemos e todas têm sua importância para o grande drama Universal. Também devemos destacar o tempo e o lugar, o ambiente da história que estamos escrevendo. Eles influenciam os acontecimentos e, muitas vezes, limitam o poder de ação do protagonista. Aqui, precisamos usar ainda mais a nossa imaginação. E como última dica das Irmãs de Palavra, temos um elemento-chave para uma boa história: nós nos divertimos imensamente nela! O resto é ‘história’ (e nós adoramos)!

Texto das Irmãs de Palavra

 “Não tenho certeza de nada, mas a visão das estrelas me faz sonhar” (Vincent Van Gogh)         

 “O fim de uma história é um convite. Você pode escrever outra” (Irmãs de Palavra)

escola

 

Kelly Shimohiro

Kelly Shimohiro

"Tudo é um ponto. E o ponto é você!" Autora de "O Estranho Contato".