20160705_092318

LIVROS (DES)EDUCAM O SEU OLHAR

Livros (des)educam o seu olhar

            A educação é um direito do povo, é um dever do governo. Um povo educado é um povo com mais chances. Chances de se colocar na vida com mais dignidade, mais humanidade, mais consciência e mais cidadania. Um país educado é um país mais próspero, que se coloca no mundo (e perante o mundo) com mais soberania.

Livros (digitais ou físicos) fazem parte da educação. São neles que estão sistematizados muitos dos conhecimentos que desenvolvem o pensamento crítico e analítico do aluno. Mega importante, o mundo todo sabe. Mas os livros de literatura são um pouco diferentes. A literatura não tem obrigação didática. Não quer dar lição. Não se presta ao papel de educar para um fim. A literatura cria novos mundos, mexe com a sua emoção, com o seu poder de ser mais ousado e criativo na vida. De rebelar-se!

Rindo, o leitor passeia por adjetivos de Vinícius de Moraes e fica até apaixonado por momentos que nunca viveu. Estimulado, o leitor vai com o triller de Raphael Montes para um Rio de Janeiro ainda mais cruel que o das manchetes, sem sequer tirar os pés do chão. Emocionado, o leitor revê sua vida dos sete aos quarenta, com a sensibilidade profunda da ficção de João Carrascoza.

A literatura (des)educa o seu olhar, porque rompe a forma vigente, formatada, de pensar. Educar-se para a literatura é criar novas e próprias visões de mundo. Os livros literários estão à disposição de nossos toques não para explicar, defender paradigmas ou ditar normas; mas para expressar e ampliar. Sentimentos, tragédias, temas humanos que atravessam tempos e lugares. As Irmãs de Palavra desejam que concursos literários não sejam vetados, que livros de literatura cheguem às escolas públicas antes que o ano letivo acabe, que bibliotecas recebam novas e múltiplas obras. Porque nós sabemos que a educação vai muito além dos conteúdos formais. Também sabemos que precisamos fazer ciência, entender fórmulas, falar outras línguas. Mas nós precisamos, mais do que nunca, criar asas em nossa imaginação. Só assim, superamos o mundo que vivemos e inventamos um melhor. A literatura, a filosofia, a arte nos fazem voar. Educação também é invenção, não só repetição. Livros também precisam (des)educar! E não se esqueça: “Toda história tem poder (a sua tem mais)”.

Beijo das Irmãs de Palavra!

Livros (des)educam o seu olhar

 

 

 

Kelly Shimohiro

Kelly Shimohiro

"Tudo é um ponto. E o ponto é você!" Autora de "O Estranho Contato".