neil gaiman

PAPO DE CORREDOR

– Eu não gosto de envelhecer!

Sem nenhum rodeio, Rebeca me disse enquanto tomávamos um cafezinho no corredor da empresa que trabalhamos. Uma mulher vigorosa, de sorriso fácil. Boca vermelha, delineador marcado às sete da manhã e uma disposição que me contagia todos os dias. Até naqueles em que trabalho, mesmo sem um pingo vontade. Eu fico matutando que ela também deve ter suas horas de desânimo, mesmo sempre com aquela gargalhada espontânea; porque, afinal, Rebeca não gosta da ideia do tempo passar. E mesmo sem relógio no pulso, ele passa.

Quando eu lhe pergunto o motivo dela não gostar de envelhecer, mais uma vez  é direta:

– Eu adoro a vida, não quero que ela acabe! Não quero deixar de dançar, de ser paquerada, de me sentir útil.

Por que é que a gente acha que ‘velho’ tem menos direito ao prazer, hein?!  Às vésperas de completar 60 anos, Rebeca é ágil na limpeza, cuida da mãe doente, paga as contas de casa, superou o término de um casamento mesmo ainda morando com o marido, que não é mais seu companheiro de cama. Rebeca não perde uma oportunidade para encontrar uma amiga. Para esticar as pernas e tomar sua cervejinha. Muito menos para arrancar os sapatos e dançar como uma louca até não aguentar mais.

– Rebeca, depois da velhice tem mais vida. Você é mais vida pra mim aqui neste escritório todo santo dia!

Depois de nosso breve minutinho de papo lhe ofereci um texto do livro da Andréa Pachá para ler. E voltei na loucura frenética das minhas planilhas.

Claro que esqueci do livro. Da Rebeca. Da velhice. Mas ela não. Antes de ir embora, Rebeca veio até minha mesa. Com a boca ainda mais vermelha que antes e os cabelos soltos, sentou. Esperou eu terminar uma ligação, esticou as mãos e devolveu meu livro com um riso estampado na cara:

– Não entendi muita coisa do que li, mas uma coisa é verdade. Não é só de memória que a gente vive, é de prazer. E isto não tem mesmo a ver com idade!

Papo de corredor

 

 

Kelly Shimohiro

Kelly Shimohiro

"Tudo é um ponto. E o ponto é você!" Autora de "O Estranho Contato".