bienal 2

Neste Natal

Neste Natal

 

Papai Noel acordou, de propósito, na hora errada.

Vestiu uma roupinha qualquer (ele só tinha calças e casacos vermelhos) e decidiu: “Desta vez não carrego nada!”. Passou pelas renas, brincou um pouco com elas, que ficaram todas alvoroçadas. Esse era o grande dia, hoje elas iam passear pelo mundo inteiro!

– Não, queridas. Desta vez, não. Eu vou sozinho, não vou levar nenhum presentinho. Só vou mesmo levar esses docinhos, – e mostrou para elas um saco cheio de balinhas.

Elas não sabiam o que dizer. Quando o Papai Noel passou pelos portões, cochicharam:

– O Papai Noel tá pirado! O Papai Noel tá pirado!

Logo se esqueceram, começaram a abrir os panetones. É a comida predileta das renas.

Lá pelas tantas, o Papai Noel já tava cansado. A viagem a pé exigia mesmo do bom velhinho.

Então ele resolveu parar pra descansar. Só um pouquinho.

Acontece que ele pegou no sono. Dormiu o dia inteirinho.

E quando acordou, viu que não ia mais dar tempo. Este ano, o Natal estava perdido.

Coitado, ficou todo descorçoado. O que vai ser da criançada?,lamentou o velhinho.

Mas o que o Papai Noel não sabia, é que pelo mundo todo, a notícia se espalhou. Até hoje não se sabe quem contou. Se foi um duende que passava por ali e viu o Papai Noel dormindo no Natal, ou a Mamãe Noel que andava desconfiada do cansaço do marido. Afinal, ele tinha mais de mil anos, merecia um descontinho.

De um jeito ou de outro, a criançada já tinha um plano. E quando o Papai Noel, todo triste e choramingando, estava pegando o caminho de volta para casa, escutou uma música baixinha, que vinha de todos os cantos do planeta.

Em cada casa onde existia uma menina ou um menino, a cantoria corria solta.

Papai Noel sentou numa pedra grande, só pra ouvir melhor. Então, ele cantou também:“Neste Natal não tem presente nem balinha. Neste Natal estamos todos tão contentes. Neste Natal nós só queremos amor e alegria”.

Devagar, os adultos começaram a acompanhar. Na rua, dentro dos restaurantes, nos campos, nas praias e pradarias.

Dizem que aquele foi o melhor Natal que a Terra já viu.

 

 

Kelly Shimohiro

Kelly Shimohiro

"Tudo é um ponto. E o ponto é você!" Autora de "O Estranho Contato".