neil gaiman

Salve, Jorge!

Há pouco tempo, pouquíssimo na verdade, as Irmãs de Palavra viram um fantasma. Aconteceu quase sem querer, nós duas íamos muito bem obrigada, passeando sem nenhuma pretensão pelas ruas da cidade. Quase chegando ao cruzamento entre a Rua da Paz e a Avenida dos 7 ventos, alguém bateu – bem de levinho – em nossas costas.

Viramos para trás ao mesmo tempo. De repente, sentimos um calafrio.

– Olá, – disse um homem estranho, de cartola na mão, cueca samba canção e sapatos brancos ilustradíssimos.

Demos uma risadinha, já tínhamos visto aquele sujeito em algum lugar.

– Oi. – respondeu uma de nós.

– Vocês são as Irmãs de Palavra, não é mesmo?

– Sim, – sorrimos de orelha a orelha. Já estão nos reconhecendo pelas ruas!

– Tem alguma coisa a ver com as palavras daquele livro bem grande, a bíblia? – ele coçou a cabeça.

– Não, claro que não. Nada disso! É que somos irmãs e escritoras. Irmãs de Palavra, entendeu?

– Ah, tá! – pareceu desconcertado – então, talvez eu devesse procurar outra pessoa – ele coçava a cabeça insistentemente.

Já íamos dar no pé, quando ele arregalou seus enormes olhos azuis e disse tudo de uma vez:

– É que eu morri agorinha pouco, tive uma daquelas paradas, que fazem o coração dormir para sempre, – ele riu – e eu tô procurando o caminho certo, achei que as Irmãs de Palavra poderiam saber qual é.

Demos uma gargalhada. É claro que se tratava de um lunático.

– Isso é fácil! O caminho certo é sempre à frente! – uma de nós brincou.

– Tá bom, então. Obrigado, senhoritas.

Ele deu um passo para frente e antes de abrirmos caminho, ele nos atravessou. Passou por nós assim, como os fantasmas de filme atravessam paredes.

Sem dizer uma só palavra, corremos para casa. Na varanda em frente, o velho vizinho lia um jornal. E na capa, tinha uma foto bem grande do homem da cartola, sorrindo, todo elegante. A manchete dizia: ‘Morre o ator e diretor JF, aos 64 anos’. A linha fina abaixo da foto, explicava a causa da morte: parada cardíaca.

Juramos nunca contar nada disso pra ninguém. Mas pintamos numa plaquinha, que pregamos na porta de casa: “O caminho certo é sempre à frente! Salve, Jorge!”

Beijos das Irmãs de Palavra

(segue a gente no insta @irmasdepalavra)

 

Salve, Jorge!

 

Kelly Shimohiro

Kelly Shimohiro

"Tudo é um ponto. E o ponto é você!" Autora de "O Estranho Contato".