aaa vale

Uma segundo chance para amar

UMA SEGUNDA CHANCE PARA AMAR

 

Nessa semana, se dê uma chance. Uma segunda chance para amar.

Vá ao cinema (corra sozinho ou com alguém, porque o filme ainda está em cartaz no cinema Lumiére, shopping Royal Plaza de Londrina) e assista essa comédia romântica natalina, embalada pelas deliciosas músicas de George Michael dos anos 80. Nada mais clichê, você poderia dizer. A receita completa: Natal, neve e emoções açucaradas. O tal faz-de-conta do espírito natalino. Como se tudo se resolvesse assim, de forma mágica, só porque é Natal!

Não, tudo não se resolve assim. Nem no Natal nem em época nenhuma do ano. Nem é isso o que acontece neste filme. Kate (Emilia Clarke) é uma inglesa com a vida toda bagunçada: emprego errado, sonhos frustrados, amores descartáveis, brigas familiares, sem dinheiro, sem esperança e sem teto. Mas ela tem uma nova chance. E não é mágica que resolve tudo. É ciência (ela recebe um coração novo), é humildade (ela pede desculpas às pessoas que vem magoando), é disciplina (ela organiza sua rotina, seu trabalho), é empatia e respeito pelo próximo (ela doa seu tempo para ajudar os outros e aceita a sua família do jeito que é: imperfeita e meio doida), é esforço (Kate muda a si mesma, e esse é o maior sacrifício de todos nós).

No fundo, nós todos sabemos que não se trata de mágica. Não a mágica que sonhamos: alguém vai chegar e dar um jeito em toda a sua bagunça; você vai ganhar um prêmio e quitar todas as suas dívidas. Papai Noel não deixa presentes na lareira. Mas existe outro tipo de‘magia’, e está dentro de você. Bem aí, a seu dispor. Você pode perceber melhor as suas necessidades, se transformar, se libertar de velhas amarras, perder vícios, aceitar suas dificuldades, lapidar suas palavras, mudar o pensamento, o sentimento e o jeito de agir. Pode ouvir o ser humano que está ao seu lado, prestar atenção ao que pode fazer pelos outros e por si mesmo. A vida de todos nós pode ser marcada por inúmeras perdas, mas se você quiser, não são elas que definem você.

A frase do filme “A felicidade está em ajudarmos uns aos outros” pode ser clichê. Mas alguém sabe de uma verdade melhor pra botar no lugar?

Neste Natal, se dê UMA SEGUNDA CHANCE PARA AMAR.

Afinal, é a sua vida. E ela tem que ser a melhor de todas (pelo menos pra você).

Feliz Natal!

 

Leia Mais

neil gaiman

A noite (im)perfeita de Maria Flor

Da série MULHERES INVISÍVEIS

A noite (imperfeita) de Maria Flor

 

Abriu os olhos.

Merda. Não era sonho.

Nem pesadelo.

Era real.

Continuavam deitados.

Um ao lado do outro.

Costas com costas.

Um palmo de distância.

Quando foi que começou a ficar difícil tocar a pele dele?

Ela queria esticar o braço. Mexer em seu rosto. Sentir a boca dele em seus lábios.

Não moveu um dedo. Mas abriu a boca.

Brigaram de novo.

Ela não via sentido.

Ele não enxergava um jeito. De voltarem a se enroscar.

Ela fechou os olhos e esticou os braços.

Não sentiu a boca dele.

Virou de lado.

E sonhou.

 

 

Leia Mais

bienal 2

Neste Natal

Neste Natal

 

Papai Noel acordou, de propósito, na hora errada.

Vestiu uma roupinha qualquer (ele só tinha calças e casacos vermelhos) e decidiu: “Desta vez não carrego nada!”. Passou pelas renas, brincou um pouco com elas, que ficaram todas alvoroçadas. Esse era o grande dia, hoje elas iam passear pelo mundo inteiro!

– Não, queridas. Desta vez, não. Eu vou sozinho, não vou levar nenhum presentinho. Só vou mesmo levar esses docinhos, – e mostrou para elas um saco cheio de balinhas.

Elas não sabiam o que dizer. Quando o Papai Noel passou pelos portões, cochicharam:

– O Papai Noel tá pirado! O Papai Noel tá pirado!

Logo se esqueceram, começaram a abrir os panetones. É a comida predileta das renas.

Lá pelas tantas, o Papai Noel já tava cansado. A viagem a pé exigia mesmo do bom velhinho.

Então ele resolveu parar pra descansar. Só um pouquinho.

Acontece que ele pegou no sono. Dormiu o dia inteirinho.

E quando acordou, viu que não ia mais dar tempo. Este ano, o Natal estava perdido.

Coitado, ficou todo descorçoado. O que vai ser da criançada?,lamentou o velhinho.

Mas o que o Papai Noel não sabia, é que pelo mundo todo, a notícia se espalhou. Até hoje não se sabe quem contou. Se foi um duende que passava por ali e viu o Papai Noel dormindo no Natal, ou a Mamãe Noel que andava desconfiada do cansaço do marido. Afinal, ele tinha mais de mil anos, merecia um descontinho.

De um jeito ou de outro, a criançada já tinha um plano. E quando o Papai Noel, todo triste e choramingando, estava pegando o caminho de volta para casa, escutou uma música baixinha, que vinha de todos os cantos do planeta.

Em cada casa onde existia uma menina ou um menino, a cantoria corria solta.

Papai Noel sentou numa pedra grande, só pra ouvir melhor. Então, ele cantou também:“Neste Natal não tem presente nem balinha. Neste Natal estamos todos tão contentes. Neste Natal nós só queremos amor e alegria”.

Devagar, os adultos começaram a acompanhar. Na rua, dentro dos restaurantes, nos campos, nas praias e pradarias.

Dizem que aquele foi o melhor Natal que a Terra já viu.

 

 

Leia Mais

post-mulher-ok

Os bailes de Nina Lopes

Os bailes da vida de Nina Lopes

A música já tocava alto quando Nina entrou no salão. Não era só dançar que a fazia ir para o baile. Eram dois pra cá, dois pra lá e ‘oi, tudo bem, nossa… você tem ritmo, hein’. Dois pra cá, dois pra lá e ‘você já foi ver a lista de Schindler’?Dois pra cá, dois pra lá e ‘conhece um bom médico de vista?’. Dois pra lá, dois pra cá e ‘que olhos bonitos você tem, parecem duas jabuticabas. Eu adoro jabuticaba’. Desde que separou do pai do filho que teve aos dezesseis anos, quando casou para sair de casa, dançar trazia mais vida pra vida de Nina.

Nesta noite, foi Ronaldo quem entrou na sua história. Quarentão, com tudo em cima. Pé de valsa, rodava o salão emendando uma música atrás da outra, cada uma com uma mulher diferente. Tanto vigor atraiu os olhares de jabuticaba. Não demorou para os olhos dos dois se cruzarem. E quando Ronaldo puxou Nina para o meio do salão, ficaram juntos até o fim do baile. O namoro engatou poucos dias depois. O casamento seis meses depois. Mas isto foi há muito tempo. Há 26 anos.

Neste domingo, Nina saiu de casa sozinha com a roupa do baile na bolsa pra vestir na casa da amiga. Ronaldo, pregado na poltrona da sala só reparou em Nina quando ela passou em frente à televisão e o atrapalhou justo na hora do gol. Há dois anos a única coisa que Ronaldo quer é ver futebol. Não quer trabalhar. Não quer fazer compras. Não quer ver os filhos. Não quer ir na praia. Não quer namorar.

Nina trabalha oito horas em uma empresa, limpando privadas e fazendo cafezinho com o sorriso mais bonito daquele lugar. Às sete horas da manhã bate o cartão com o delineador nos olhos de jabuticaba e a boca vermelha. À noite ganha uns trocados ajudando a fazer lanche no seu Manuel da esquina. Aos fins de semana, dá uma geral em casa, repõe a dispensa e ainda cuida da mãe doente. Ah… mas domingo é sagrado. É dia de baile. Há dois anos, Ronaldo não vai mais ao baile com Nina. Há dois anos ele a vê chegar em casa cansada, com as sacolas do supermercado e não levanta para ajudar. Há dois anos ele vê Nina cozinhar, passar sua roupa e reclama que o arroz tá com muito sal e a calça tá sem viga. Há dois anos Nina chora, tenta levar Ronaldo a um médico, um terapeuta. Há dois anos Nina insiste em tirar Ronaldo da poltrona, vendo tristeza em seus olhos. Há dois anos Ronaldo não enxerga uma palavra que sai da boca de Nina. Às vezes Nina chega em casa e também se joga na poltrona, e também não tem vontade de sair dali nunca mais. Ronaldo ainda a chama de amor. Nina ainda responde.

Mas neste domingo Nina saiu de casa. ‘Amor é uma planta que precisa regar um pouquinho a cada dia. Se deixar secar, vai que não floresce mais. É duro não ser notada. Não ser mais enxergada. Eu devia larga-lo, mas não consigo deixa-lo às traças. Só que cansei. Tenho 61 anos e ainda quero viver muito, beijar muito, ser desejada, amada, sabe como?’. Nina confessou para amiga com os olhos de jabuticaba molhados de raiva, enquanto as duas se arrumavam para o baile.

Chegando lá, adivinha só quem foi encontrar Nina?

 

 

Leia Mais

20160705_092318

Desacelere

DESACELERE

Vá a pé. Desligue a TV. Tome um café a dois. Descanse na rede. Acorde devagar. Enxugue a agenda. Ofereça o ombro. Cante com os pássaros. Se divirta no caminho. Conte em uma das mãos os compromissos do dia. Transgrida.

Não troque o celular. Ouça uma play list inteira. Escolha suas próprias roupas. Visite o seu bairro. Arranque as mordaças. Descubra seus talentos. Invista naquele amigo. Beba um vinho. Espere um pouco. Não responda todas as perguntas. Desperte.

Conte até dez. Tome um banho de chuva. Quebre as regras. Aproveite a sua própria casa.  Abra as janelas. Dê as costas. Dê as mãos. Empreste livros. Tenha um encontro. Se demore. Acalme o cérebro. Passe um dia de roupão. Diga não. Surpreenda-se.

Limpe os próprios sapatos. Desconstrua. Se recolha. Mostre a língua. Estenda os lençóis. Não aceite. Seja rebelde. Faça com calma. Edite seus textos. Redecore o jardim. Plante sonhos. Não ouça discursos. Não valide opinião alheia. Se dê prazer. Reduza os lixos. Diga: Sim, amor. Viva aventuras. Descubra-se.

No fim, comece de novo. Não desista. Resista. Insista. Abra os olhos. Ligue sua tomada interna. Prossiga. Ouça a voz de dentro. Pinte as paredes. Aprecie o quadro, a rua, seu saldo. Não repita slogans. Você não é só um operário. Bata as asas e lute por todos. Confie nas estrelas. Faça sua trilha. Seja seu guia. Não pegue a fila. Desacelere. E invente um bom dia!

 

(beijos das Irmãs de Palavra, segue a gente lá no insta @irmasdepalavra)

 

 

Leia Mais

13

Bon appétit!

Bon apétit!

 

Foi só em Paris, que a mais velha de nós duas aprendeu a gostar de croassant. Foi ano passado, numa aventura que fizemos com a nossa mãe. Sentadas num café em frente a uma pracinha sem nome de um bairro desconhecido da cidade ‘luz’, a Irmã de Palavra mais velha descobriu o sabor da manteiga misturada à farinha, ovos, água, açúcar e mais (muito mais!) manteiga. Talvez tenha sido o cenário cheio de árvores altas e charmosas, ou as pessoas naquele francês rápido e tão sonoro. Ou a ideia das três estarem ali juntas, longe do resto da família, numa aliança só delas. Não importa, croassant agora é regra.

E como nada vem sozinho, fomos contagiadas por outras ‘coisinhas’ francesas. Eles realmente adoram a arte. Vão a museus, leem feito doidos em todo e qualquer lugar; cantam, bebem e dançam à margem do Sena. Eles também prestam atenção. Primeiro em si mesmo, no que querem e precisam. São bons em dizer não. As cadeiras dos cafés são voltadas para a rua, para que possam apreciar o que tem em volta. Se alguém fala, o outro olha nos olhos, e ouve. Eles saboreiam a refeição. Nada de comer atarefado com qualquer outra besteira, nada de uma colherada em cima da outra. A comida, como quase tudo por lá, precisa ser feita e degustada com prazer. A impressão é que eles estão sempre prontos para o melhor. Não querem desperdiçar a própria existência, estão sempre ao ponto de saboreá-la.

Ninguém precisa ir até Paris (se bem que, não perca a oportunidade!) para aprender uma boa lição: le plaisir de vivre.

E nós não estamos falando aqui de conquistar sonhos, de viajar pelo mundo, ser dono de uma rede de supermercados, publicar mais livros, ter milhões de seguidores, passar no vestibular, comprar um apê ou uma moto, ou para quem insiste, um louboutin. Não! Não é sobre conquistas. O le plaisir de vivre vem bem antes disso. E, pra falar a verdade, todas as suas conquistas não vão te levar até ele.

Voltando de Paris, nós duas aprendemos: Toujours bon apétit! Não importa, le plaisir de vivre agora é regra.

 

Beijos das Irmãs de Palavra

(segue a gente lá no insta @irmasdepalavra)

 

 

Leia Mais